quarta-feira, 27 de julho de 2011

Quem Dita as Regras é o "Sr. Mercado"

Mercado

Hoje conversando com um amigo sobre a ética medica, me veio o desejo de escrever um post sobre a era mercadológica em que vivemos. Tudo se tornou vendável e automaticamente comprável; religiosos mercadejam a Fé, médicos vendem "saúde", e muitas pessoas tentam vender a imagem, ou uma imagem. Digamos que você seja um médico, e atenda planos de saúde e particular; qual seria o interesse desse médico em que o seu (cliente) paciente perceba que não tem doença nenhuma e portanto não precisa mais visitar sua clínica? Certamente esse médico tem algum financiamento, curso dele ou dos filhos, aluguel para pagar. Entendeu o rumo que nosso conversa tomou? Agora vamos ao Mecânico, onde você levou seu carro por conta de algum "barulhinho" que o incomodava. Bem, o Mecânico avaliou seu carro e deu o veredicto, 1.000,00 para troca de algumas pecas e 500,00 pela mão de obra. Você como não entende nada de mecânica de carro, pagou, mas saiu com cara de quem foi lesado. Pode ter certeza que em breve terá outro problema no seu veiculo, como achou o Mecânico do mês passado meio suspeito, buscará por outro que também agirá de uma maneira "a brasileira". Esses dois exemplos São característicos de outras tantas categorias de profissionais, pedreiros, borracheiros, eletricistas, help desck, bancários e por aí vai. As pessoas estão sendo direcionadas pelo mercado, e quando ele dita as regras, vale tudo para conseguir alcançar aquilo que ele diz ser melhor. Seja qual for sua profissão ou nível social, sempre haverá uma enorme pressão em seus ombros: compre este carro, adquira aquele aparelho de Tv, use aquela marca de roupa ou de perfume, agora e hora de mudar de casa, de bairro, de amigos. E quando você percebe a vida passou, a maioria das coisas que fizeram você desejar e sonhar não foram conquistadas, e o que se conseguiu foi no balanço final, concluir que sua vida foi um acumulo de cansaço, decepções e falta de tempo. Precisamos parar um pouco, deixar de correr atrás do vento. Como diria o Eclesiastes ou Pregador "Vaidade de vaidades, tudo e vaidade".