quinta-feira, 20 de junho de 2013

Anônimos

Anonymous
Está virando uma dor de cabeça para filósofos, pensadores e sociólogos explicar os protestos que estão ocorrendo aqui no Brasil.
Acredito que o maior responsável por tudo isso é o Facebook, e não estou dizendo que seja o único nem dando uma explicação simplista para um assunto de tamanha magnitude.
O que tento dizer aqui, é que o Facebook proporcionou para muita gente e principalmente para os jovens, a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o outro.
Bem, a Rede trouxe para nós o fato de que existem muitas pessoas com problemas parecidos com os nossos, com as mesmas dificuldades e tentando ao máximo enganar a vida, enganar-se a si mesmo.
Um exemplo muito claro disso é o fato de as fotos serem sempre muito bem editadas, tentando mostrar uma felicidade que talvez exista apenas no mundo dos sonhos. E as mensagens de auto-ajuda, de escritores famosos, tentando passar uma cultura e um equilíbrio que pouca gente no Universo conseguiu atingir.
Junta tudo isso a falta de convívio social, falta de pessoas reais, de conversas reais e tem-se a fórmula para tentar uma mudança.
A mudança pode ser sair as ruas e manifestar-se contra tudo aquilo que todos sabem que está errado, mas que até agora nada foi feito para que o cenário seja transformado. Estamos diante do protesto porque protesto.
Tem muita gente no meio dessas multidões que nem imagina os interesses que podem estar pro trás de movimentos como esses, nem imagina no que isso pode se transformar.
Sou a favor de toda manifestação pública pacífica que tenha objetivos sublimes, nobres e virtuosos, mas tenho medo do protesto pelo protesto.
Você pode estar sendo manipulado por este ou aquele grupo, tome cuidado.
Se informe antes de sair por aí gritando palavras como:
"Vem pra rua, vem, contra o aumento"
"Saia do sofá e venha protestar"
"Sem vandalismo"
"Olha que legal, o Brasil parou e nem é Carnaval"
"Que coincidência, não tem polícia, não tem violência"
"Brasil, 'vamo' acordar, o professor vale mais que o Neymar"
Proteste com consciência!