terça-feira, 27 de setembro de 2011

O Ocaso da Educação.


é assim que se escreve

“Nada do que é currículo em escola é fundamental. Você tem de aprender a pensar, e os professores têm de perceber seu ponto de vista, para onde orientar melhor seus dons. Escola deve ser inspiradora, estimular a imaginação, a criatividade e não a repetição, os testes de memória. Educação é amor, amor que se estende a tudo, não só a teu filho ou família. A vida é uma longa lição de humanidade, e a descoberta do amor faz parte disso.” (Bruna Lombardi).                        

“Eu sempre fui apaixonada pelo conhecimento. E de certa forma sempre tive esse papel, mesmo em casa. E, se eu não tinha conteúdo para ajudar meus filhos, então tinha que buscar. E eu fiz isso por amor ao conhecimento e por amor aos meus filhos.”
(Maria Vilani Gomes, Educadora)
                          

 A ultima edição da Revista Trip tem como tema a educação, do editorial da revista peguei essas duas citações de duas mulheres de formações tão distintas, mas que trazem um mesmo sentimento, de que a educação da maneira como esta sendo feita, esta fadada ao fracasso. A educadora citada é mãe do rapper Criolo ( ótima sugestão para quem curte música boa e inteligente) que por sinal esta nas páginas negras da revista. Eles dizem em suas entrevistas, que a educação visando apenas o mercado de trabalho e ganhar dinheiro não deu certo, o que salta aos olhos, o ENEM esta ai para comprovar. O investimento em educação sempre foi baixíssimo no Brasil, nunca tivemos o ensino como prioridade. Desde a educação básica, ate as pseudo-universidades passamos por um processo de "desaprendizagem". Desaprendemos a pensar, a sermos criativos, desaprendemos a sermos humanos, aprendemos a sermos produtos de um sistema que "embrutece" para não dizer coisa pior. Temos vários exemplos de escolas que realmente cumprem o papel de educar para a vida, mas esses exemplos não suprem a demanda por "saber". O empresário Ricardo Semler tem um projeto educacional nos moldes do que seria desejável. mas será que nossos gestores estão interessados em que nossos alunos aprendam a criticar? Ricardo Semler em suas palestras enfatiza o quanto nosso processo educativo anda defasado : "“Por que temos férias escolares de três meses?” “Há 150 anos as escolas eram rurais e as crianças tinham que ajudar na colheita”.
Com uma cultura educacional arcaica e limitadora, não poderíamos ter resultados piores. Ontem  a Folha de São Paulo, publicou uma matéria a respeito de instituições de ensino que estão recrutando alunos em ONGs, igrejas e centros comunitários, através de seus lideres, que recebem em torno de 100,00 por aluno matriculado. O mercado das universidades esta super aquecido no momento, governantes inescrupulosos se vangloriam pelo acesso da classe C ao ensino superior, onde quem mais se da bem são os donos das faculdades. O aluno sai de lá sem aprender nada, com um diploma que não lhe dará condições de competir no mercado de trabalho, nem muito menos um pensamento critico, que seria o esperado de uma universidade. Isso quando o aluno não financia os estudos através do FIES e termina a faculdade com uma dívida de 15 anos. Precisamos começar a pensar na educação das nossas crianças a partir de casa, acompanharmos o seu desenvolvimento e participarmos ativamente da sua vida, ou então, estaremos criando apenas, mais produtos para esse sistema que se autodestrói.